Tal qual o ar que respiramos, sei que Deus existe, ainda que não possa vê-lo... Sim, Jacque, eu ainda te amo! Por favor, me perdoa...

sábado, 10 de maio de 2008

Corrida Armamentista

"Os biólogos dinamarqueses descobriram que as lagartas (maculinea alcon) produzem uma série de compostos químicos 'cheirosos', idênticos aos produzidos pelos filhotes das formigas. Como o cheiro exalado pelos dois tipos de filhotes é igual, as formigas pensam que estão cuidando de uma de suas filhas."
"Imagine que uma formiga sofra mutação e comece a produzir um "cheiro" diferente. Isso vai permitir que ela seja capaz de distinguir os parasitas de seus próprios filhos..."
"Mas imagine que, logo a seguir, uma das borboletas sofra a mesma mutação e passe a produzir o novo cheiro."
"É a evolução darwiniana ocorrendo na frente de nossos olhos."
Não se baseia a "evolução darwiniana" em mutações ocorridas por acaso e, por acaso, bem sucedidas e que se acumulam ao longo de milhões de anos?

Ou seja, das milhões de possibilidades de cheiros possíveis (digo milhões para não parecer exagerado), a borboleta desenvolveu por acaso, ao longo de milhões de anos o exato cheiro da formiga e se deu bem. Quando por acaso a formiga mudou de cheiro, isso "quebrou as pernas" da borboleta, que teve a sorte de o acaso lhe dar também o novo cheiro da formiga. E dessa vez, nem precisou de milhões de anos. Viva o acaso! (+)!

Nenhum comentário: